quinta-feira, 1 de setembro de 2016

RECIFE




Não é mês de outubro, mas hoje eu tô que nem criança! Porque todo mundo tem a sua “Itamaracá”. E eu estou indo pra minha. A minha Itamaracá de hoje não é mais a ilhazinha homônima onde eu aprendi a andar e costumava veranear. A bem da verdade, a Itamaracá de cada um é aquele paraíso recôndito onde a gente se refestela. Ela pode ser aquele banquinho na praça onde uma árvore linda faz sombra e que nós encaramos encharcados de nostalgia porque era ali que a gente costumava sentar na companhia daquele namoradinho do tempo de colégio. Ela também pode ser aquela trilha na floresta que a gente percorre sentindo a presença de Deus e enxergando seu toque divino em cada centímetro. Porque ela é qualquer lugar que nos fomente a esperança e nos remeta à lembrança da época mais feliz das nossas vidas.
                Mas por que então chamá-la de Itamaracá? Porque lá foi meu primeiro paraíso. E a euforia de ir para minha Itamaracá de hoje é a mesma que eu sentia na véspera de ir para a minha Itamaracá de outrora. É verdade que os gibis que eu costumava pôr na mala foram trocados pelos livros há um bom tempo. Mas a sensação ao fazer a mala é a mesma. Que alegria!

É certo que a vida dá muitas voltas e que muita coisa muda ao longo dela, de modo que a Itamaracá de cada um pode mudar de localização geográfica incontáveis vezes ao longo dessa aventura que é viver, mas o que não muda e que realmente importa é que todo mundo sempre tem e sempre haverá de ter uma Itamaracá. Porque Itamaracá é aquele lugar onde a gente se cerca de pessoas em cuja companhia pode ser feriado de páscoa, mas parece manhã de natal. E enquanto houver uma Itamaracá pra visitar, eu vou poder acordar com um sorriso no rosto, enternecida pela doçura do nascer do dia de ir pra lá...

quinta-feira, 30 de junho de 2016

FATAL

"Estar-se dando é fatal...
Prazo fatal está se dando,
por importar se quando,
dado o tempo, dá o qual.

Aquilo qu’a gente pense
ser da gente, outro toma!
Só lhe tomou onde soma;
o contrário nem pertence.

Tomar-se no meio disto,
dar-se no instante presente.
Dar e tomar – tempo misto


Dos espaços da gente...
Daí fazem-se os quistos
onde e quando, fatalmente!"


Trovador Solitário.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Felicidade



Há que se respeitar os caminhos que cada um adota ao encetar a busca pela felicidade. Mas se é certo que para alguns poucos habitantes desse mundo de meu Deus completude é um sentimento que se experimenta através do exercício incansável da individualidade, para outros ela somente se materializa na entrega indelével a outro ser. Felicidade para mim tem nome e sobrenome. Felicidade não mudou de domicílio, ela ainda mora nas pequenas coisas. Pequenas coisas que eu só encontro em você.

Mariana Pérez.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

SER DIFERENTE É NORMAL



            A gente percebe que a pátria educadora ainda está muito longe da realidade pretendida para ela quando se depara com inúmeras situações de flagrante desrespeito e preconceito nos corredores das universidades.

Sou aluna da Universidade Regional do Cariri há quase 06 anos, período este que usei para me graduar e dar início a um curso de Especialização. E durante este interstício, eu e a minha mãe (que também é estudante da URCA) já experimentamos algumas situações constrangedoras que se deram em ocasiões em que tivemos de circular pelos corredores da Urquinha (como eu carinhosamente gosto de chamá-la) na companhia do meu filho, um rapazinho que hoje conta com 06 (seis) anos de idade e sofre do Transtorno do Espectro Autista (um transtorno do desenvolvimento global que afeta milhões de brasileiros em todos os rincões e classes sociais desse país).

No início da noite de hoje estava nas dependências da universidade e quando me preparava para deixá-la resolvi comprar um lanche para o meu filho numa lanchonete localizada dentro do Campus do Pimenta, como forma de recompensá-lo pelo comportamento (que para os seus padrões havia sido muito bom) e de mantê-lo calmo no trajeto para casa (é que um dos seus muitos comportamentos compulsivos está ligado à comida). Nesse ínterim tive dificuldade em explicar-lhe que eu não poderia comprar todos os petiscos que ele gostaria (que por ele seriam todos!).

Acontece que uma das muitas limitações impostas ao meu filho, que sofre de autismo clássico (severo), foi a do não desenvolvimento da fala. De modo que ele não consegue expressar-se verbalmente e, tampouco, compreende quando nós (minha família – seus cuidadores) tentamos explicar-lhe que nem tudo que ele deseja pode ser feito e que muitos dos seus comportamentos são socialmente inaceitáveis. A maior parte das vezes ele simplesmente não compreende o que tentamos transmitir-lhe através da fala.

Na ocasião em comento meu filho lançou-se ao chão e eu optei por esperar que ele se acalmasse um pouco antes de tocar-lhe, ele poderia estar sofrendo um episódio de overdose sensorial, fruto da desorganização sensorial que afeta os indivíduos autistas e além da frustração acarretada pelo “não!” que ele acabara de ouvir da mamãe, ele poderia estar se sentindo mal (sentindo, inclusive, dor física) pelo excesso de estímulos fornecido pelo local em que se encontrava. Eu sabia que se o pegasse no colo imediatamente ele iria gritar (muito e muito alto!). Não queria estressá-lo ainda mais, nem incomodar os debates e as conversas (que eu julgava que fossem edificantes) dos acadêmicos que lá se encontravam. O irônico é que as conversas que eu não queria atrapalhar podiam ser justamente a fonte do barulho que o atormentava. Esperei alguns segundos, enquanto ele pressionava suas mãos contra suas duas orelhinhas, o peguei pela mãozinha e estávamos indo embora quando ouvi um disparate.

Uma das mesas da referida lanchonete estava repleta de alunos do curso de Ciências Biológicas. E uma aluna dirigiu-me, indiretamente, os seguintes dizeres enquanto eu passava: Isso é falta de educação doméstica. A mãe, que não tem educação, não sabe educar o filho. Ao que o colega da indigitada acadêmica responde: Se fosse meu filho dava-lhe umas tapas pra aprender a se comportar.

Como mãe, sei que as pessoas que questionam uma possível omissão na educação dos rebentos alheios são as mesmas que não empregam nenhuma porção de ATP (adenosina trifostato – energia celular – vamos falar a língua dos colegas), por mais ínfima que seja, na tarefa que é só sua e cujo desempenho, curiosamente, se acham no direito de julgar. E compreendo que só descobre a complexidade do desafio que é verdadeiramente educar alguém, quem se dispõe a experimentar o sabor da maternidade ou paternidade. Sei também que o processo dialético que proporciona infinitos aprendizados decorrentes do exercício dessa missão divina (a do ser mãe e/ou pai) só se aperfeiçoa quando o indivíduo se propõe a viver a maternidade ou paternidade na concepção moderna dos termos, sendo emocionalmente presente. De modo que, o que se há de discutir com alguém que sequer experimentou as delícias e agruras deste ofício?

É bem verdade que essa não foi a primeira e sei que infelizmente não será a última vez que passarei por situações semelhantes. Ocorre que em todas as tantas outras vezes escolhi me calar. Mas como nem só de atos comissivos vive o pecado, resolvi não me arriscar a pecar por omissão. Mesmo porque é extremamente alarmante que situações como a que relato se dêem dentro de um “templo do saber”, local que as pessoas supostamente procuram a fim de se libertar da ignorância e do preconceito. Me deixa profundamente irrequieta ouvir comentários assim nos mesmos corredores em que indivíduos como os que agrediram a mim, enquanto mulher/mãe, e ao meu filho, enquanto ser humano/deficiente, bradam seus discursos hipócritas sobre igualdade (inclusive no trato para com pessoas deficientes) e empoderamento feminino (que não converge de modo algum com ataques decorrentes de comentários capciosos e depreciativos a uma mulher enquanto indivíduo e mãe).

Mas a falta de educação doméstica (que na verdade foi SUA, colega “da Biologia”) que implicou na agressão desferida contra nós não é algo inerente ao curso frequentado pelos nossos ofensores de hoje. Já vivi uma situação semelhante em que o envolvido era um aluno do curso de Enfermagem (um futuro profissional da área da saúde! Pasmem!) e no próprio curso que frequentei nessa instituição de ensino que eu tanto amo (o curso de Direito). Nas bandas do Campus São Miguel todo mundo sabe invocar prontamente o princípio da dignidade da pessoa humana, mas nem todos são capazes de compreender a carga axiológica do referido princípio, tampouco se preocupam em assegurar-lhe eficácia nas incontáveis oportunidades que todos os dias a própria vivência em sociedade lhes proporciona. Quantos olhares de reprovação não me fuzilaram ao longo dos anos pela “falta de educação doméstica” do pequeno exemplar de autista que vive aqui em casa! Situações assim são corriqueiras na vida de quem convive com o autismo, elas se dão nas filas dos bancos, nos supermercados, parquinhos, praças. E entre os agressores estão todos os mais variados tipos de personagens. Por vezes até pessoas muito instruídas e do nosso convívio pessoal nos machucam com “pérolas” como esta. Mas a enorme frequência com que elas ocorrem não faz com que elas se tornem mais aceitáveis.

Como a condição dos autistas não está evidenciada nos traços da sua face, ao reverso do que ocorre, por exemplo, com os portadores da Síndrome de Down, ou pessoas que sofrem de paralisia cerebral, os ataques que se concretizam por meio de olhares cortantes de reprovação e comentários desencorajadores dirigidos a esses indivíduos e seus familiares são absurda e revoltantemente recorrentes. Mas é aí que entra aquela máxima: Se não quer ajudar, não atrapalhe. E se quiser pôr a gentileza em prática, mas não sabe como, pergunte como pode fazê-lo.

Sei que a agressão que eu e meu filho sofremos é fruto da falta de informação, mas ela reside também na falta de educação doméstica (o mesmo atributo que a colega me acusou de não possuir) e por conseguinte, do despreparo para viver em sociedade. Longe de mim pretender educar o mundo ou mesmo instruí-lo, posto que sou detentora de poucos saberes. Mas não custa lembrar que as estatísticas de países como os Estados Unidos, que já encaram o autismo como uma questão de saúde pública e desenvolvem protocolos de tratamento muito mais modernos que os dos quais dispomos por cá, indicam que 1 em cada 68 crianças nascidas tem autismo. Nas bandas da nossa pátria educadora, salvo engano, esse número é de 1 criança em cada 88. São milhões de pessoas vivendo limitações semelhantes, sendo elas maiores ou menores que as do meu filho. E isso quer dizer que os colegas que nos agrediram possuem grandes chances de esbarrar por aí com muitas pessoas que se encontram na mesma condição que o meu Lucas.
Assim, seguem os seguintes conselhos: Esqueça o que a novela da Rede Globo te “ensinou” sobre autismo, desligue um pouco a televisão, vá ler um livro e, sobretudo, fomente o empoderamento feminino exercitando a infinita educação doméstica da qual você se gaba respeitando sua semelhante de gênero e mate a sua mãe de orgulho (exercitando aquele monte de educação que a sua fala me leva a crer que ela te deu!) escolhendo calar quando surgir novamente a oportunidade de criticar a “criancinha birrenta” ao seu lado (ela pode ser autista e “a pessoa com transtorno do espectro autista é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais.”). Vocês, colegas estudantes que nos agrediram, gastem mais tempo estudando sobre as mitocôndrias que vocês herdaram das suas respectivas mães, em vez de empregá-lo no cálculo de sucesso alcançado pelas mães dos outros no exercício da maternidade. E no mais, ficam aqui os avisos aos navegantes deste mundo ainda tão cruel: espaços públicos podem e devem ser frequentados por todos e em eventos futuros as providências cabíveis poderão ser tomadas dentro e fora do âmbito da Universidade. Mas vamos também buscar inspiração nesse arco-íris lindo que estampava o céu hoje a tarde (curiosamente, minutos antes do acontecimento aqui relatado...) e vamos buscar a reconciliação com as diferenças. Ser diferente é normal.

Mariana Pérez
 .

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Dieta de Amor



Muitas vezes me pergunto se não é essa cultura de austeridade alimentar e física que adoece as pessoas. É tanto tempo dispendido no controle das calorias e com a preocupação de ingerir batata doce, linhaça, quinoa e cumprir todas as séries da academia, que falta tempo de se ocupar do que alimenta a alma. Suco de clorofila faz bem e é uma delícia, mas às vezes tudo que o coração da gente precisa é de uma generosa dose de amor e de carboidrato. E por que não?
O importante e que não pode faltar nunca na vida da gente é espaço para aqueles momentos que fazem a gente se abastecer de afeto. Com ou sem glúten... Porque a verdade é que não há receita para a beleza mais eficaz que a felicidade. E ela, a felicidade, é esse sentimento que não se contenta em fazer morada, ela tem esse jeito escandaloso, impetuoso e atrevido, essa mania de transbordar e de encher de vida e de beleza tudo à sua volta.
Porque convenhamos, não há semblante mais belo que aquele que é adornado por um sorriso sincero que brota da alma e escapa pelos olhos... E quem há de dizer que há combustível mais potente pra nos conduzir à felicidade que não o amor? Por isso, os contidos que me perdoem, mas como cada um se alimenta do que quer, eu sigo trocando uma tonelada de paz por um grama de amor (...)

Mariana Pérez.

sábado, 7 de maio de 2016

LUCAS



Pra te fazer sorrir eu faço a festa,
Banco a moleca,
Me canso à beça,
Mas brinco sem pressa.

Pra te fazer sorrir eu desço do salto,
As mangas da camisa arregaço,
Pinto o nariz de palhaço
E trago o circo ao seu encalço.

Pra te fazer sorrir, esqueço-me do tempo e do espaço
E quase perco o compasso,
Pois perco a hora sem qualquer embaraço.

Quero suas gargalhadas,
Todas elas.
Elas me alimentam.

Avivam a alma,
Confortam
E acalmam.

Pra te fazer sorrir, eu me esqueço das dores,
Abro mão de todos os outros amores,
Abstraio os temores e pinto a vida em mil cores.
Só pra te ver sorrir...

Mariana Pérez.

SOBRE A INFÂNCIA E A CASTRAÇÃO EDUCACIONAL



                Ano de 2000, Colégio X, aula de Língua Portuguesa, 4ª série (atual 5º ano), a professora (Tia R.) dá aos alunos a seguinte tarefa de classe: 
- Pessoal, em homenagem aos 500 anos do descobrimento do Brasil (pelos portugueses, ela esqueceu-se de dizer; afinal nosso país já estava aqui e tinha seus próprios habitantes) vocês vão utilizar o restante da aula para fazer um desenho sobre este tema.
Diligentemente, a aluna M. (10 anos) se pôs a fazer a “firula” exigida pela professora, desenhou uma pequena caravela e no restante do papel escreveu uns versinhos. Ao se deparar com o resultado do trabalho de M., Tia R. a repreendeu veementemente:
- M., a tarefa que lhe dei foi a de fazer um desenho em alusão aos 500 anos do Brasil.
Ao que M. responde:
- Eu entendi a tarefa, Tia R., acontece que eu desenho mal e gosto mesmo é de escrever, sabe?
Lendo com atenção todas as estrofes, Tia R. se ateve especificamente a um versinho que dizia “Quinhentos anos pelejando um povo que só quer ser feliz...”. Imediatamente ela interpela a aluna:
- Mas de onde você copiou isso?
M. então responde:
- Não copiei, Tia R., o poema é de minha autoria, eu mesma o fiz.
Inconformada, Tia R. pergunta:
- Mas onde você aprendeu o significado e a conjugação do verbo “pelejar”?
E M. mansa e prontamente explica:
- Lendo, professora. Esse ano li “Morte e Vida Severina” de João Cabral de Melo Neto, por indicação da senhora, não se lembra? Mas antes disso, li nas férias um exemplar da “Odisséia” de Homero e fiquei encantada com as aventuras de Ulisses. Pois então, foi assim que eu aprendi esse verbo novo: Lendo, professora, lendo...

(sons de grilos)

Mariana Pérez.

segunda-feira, 21 de março de 2016

PODE ENTRAR




Você que partiu, por favor, compreenda: silêncio e distância nem sempre são expressões de malquerença, às vezes é excesso de bem-querer. Mas a você que vem chegando, fica o aviso: cada pessoa que vem e depois vai embora leva consigo um pedaço da nossa alma. E chega uma hora que cansa! Então se for pra chegar, que seja pra ficar. Entre, bata a porta e perca a chave, porque eu detesto despedidas...

Mariana Pérez

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016


Se despedir as vezes é um ato tão tolo. Tem gente que nunca parte de nós ou de quem simplesmente não conseguimos partir.

Mariana Pérez.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

SER FLOR (um poema à quatro mãos)


              Eles pediram e o amor chegou.               
        Ela sorrindo desabrochou.         
Ao ver sua beleza, ele exclamou:

“Uma flor que não deforma,
Que o tempo não desgasta; que
A luz alumia a incandescente
Beleza e formosa
Natureza
Há só
Uma:
Você”.

Só que a vida aconteceu,
       Ele logo esmoreceu    
E por não gostar de flores gastas, ele então partiu.

          Mas beleza é transformar dor em doçura,         
                Fazer o azedume virar candura.              
  Ela sabe disso
 E por essa razão, vai florir de novo (...)


Mariana Pérez & J.E.P.P.B.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

PERSPECTIVA


Perspectiva é tudo! É a tal arte de conseguir enxergar um copo meio cheio quando o que todo mundo vê é um copo meio vazio. Se para uns felicidade deixou de ser estado de espírito ou objetivo de vida pra virar uma espécie de fator previdenciário do cálculo de sucesso da vida alheia (e olha que nem faz diferença que a felicidade virtual estampada nos sorrisos que as pessoas vestem e exibem, sobretudo nas redes sociais, não corresponda à realidade fática), para outros ela é uma realidade quase que palpável, construída através dos pequenos instantes que fazem a vida valer a pena. E qualquer pessoa dotada de noções elementares de matemática entende que essa ciência exata não se presta a escrutinar a alma humana, de modo que não se pode atestar com precisão a quantidade de alegria ou de tristeza que alguém carrega dentro do peito. Quem mais chorou muitas vezes foi em verdade quem mais amou. Quem sente saudades é quem também se alegra em dizer que faz parte do seleto grupo que experimentou esse nobre sentimento. Quem verte lágrimas ao rever as fotos das quais foi incapaz de se desfazer e ao reler as cartas recebidas ou mesmo as que foram escritas mas nunca enviadas é também quem guarda dentro do peito a certeza de que aquele foi um amor de verdade. Só a inventividade da arte dos poetas poderia dar conta das vivências humanas. Só eles entendem que em se tratando da vida há sim dois pesos para a mesma medida, porque de fato existem sempre dois lados ou mais de uma mesma história. É tudo uma questão de sentir. E quantas não são as formas ou perspectivas de se encarar um mesmo acontecimento? Quantas não são as variáveis a se aplicar no cálculo de ''sucesso'' do grande todo de vivências que cada um de nós experimenta ao longo da caminhada? O fato é que no sistema métrico da vida cada um adota a unidade fundamental de medida que quiser. A que eu escolhi foi o amor e a aplicação dessa unidade de medida é bem simples. É algo mais ou menos assim: Eu amei. Tu amaste? Nós amamos! Fui feliz.

Mariana Pérez.