quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016


Se despedir as vezes é um ato tão tolo. Tem gente que nunca parte de nós ou de quem simplesmente não conseguimos partir.

Mariana Pérez.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

SER FLOR (um poema à quatro mãos)


              Eles pediram e o amor chegou.               
        Ela sorrindo desabrochou.         
Ao ver sua beleza, ele exclamou:

“Uma flor que não deforma,
Que o tempo não desgasta; que
A luz alumia a incandescente
Beleza e formosa
Natureza
Há só
Uma:
Você”.

Só que a vida aconteceu,
       Ele logo esmoreceu    
E por não gostar de flores gastas, ele então partiu.

          Mas beleza é transformar dor em doçura,         
                Fazer o azedume virar candura.              
  Ela sabe disso
 E por essa razão, vai florir de novo (...)


Mariana Pérez & J.E.P.P.B.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

PERSPECTIVA


Perspectiva é tudo! É a tal arte de conseguir enxergar um copo meio cheio quando o que todo mundo vê é um copo meio vazio. Se para uns felicidade deixou de ser estado de espírito ou objetivo de vida pra virar uma espécie de fator previdenciário do cálculo de sucesso da vida alheia (e olha que nem faz diferença que a felicidade virtual estampada nos sorrisos que as pessoas vestem e exibem, sobretudo nas redes sociais, não corresponda à realidade fática), para outros ela é uma realidade quase que palpável, construída através dos pequenos instantes que fazem a vida valer a pena. E qualquer pessoa dotada de noções elementares de matemática entende que essa ciência exata não se presta a escrutinar a alma humana, de modo que não se pode atestar com precisão a quantidade de alegria ou de tristeza que alguém carrega dentro do peito. Quem mais chorou muitas vezes foi em verdade quem mais amou. Quem sente saudades é quem também se alegra em dizer que faz parte do seleto grupo que experimentou esse nobre sentimento. Quem verte lágrimas ao rever as fotos das quais foi incapaz de se desfazer e ao reler as cartas recebidas ou mesmo as que foram escritas mas nunca enviadas é também quem guarda dentro do peito a certeza de que aquele foi um amor de verdade. Só a inventividade da arte dos poetas poderia dar conta das vivências humanas. Só eles entendem que em se tratando da vida há sim dois pesos para a mesma medida, porque de fato existem sempre dois lados ou mais de uma mesma história. É tudo uma questão de sentir. E quantas não são as formas ou perspectivas de se encarar um mesmo acontecimento? Quantas não são as variáveis a se aplicar no cálculo de ''sucesso'' do grande todo de vivências que cada um de nós experimenta ao longo da caminhada? O fato é que no sistema métrico da vida cada um adota a unidade fundamental de medida que quiser. A que eu escolhi foi o amor e a aplicação dessa unidade de medida é bem simples. É algo mais ou menos assim: Eu amei. Tu amaste? Nós amamos! Fui feliz.

Mariana Pérez.